Buscar
  • Luiz Vieira

Luccas Papp e Leonardo Miggiorin repetem parceria em espetáculo sobre amizade

A Bicicleta de Papel mostra a busca por alguma esperança após o trauma da perda e a importância da superação por meio da amizade. Atores repetem parceria no palco que iniciou em O Ovo de Ouro. Espetáculo tem direção de Ricardo Grasson, figurino de Cássio Scapin, participações especiais em off de Elias Andreato, Ando Camargo, Rita Batata e Lívia Marques

Foto: João Sampaio e Davi Gomes.


Uma história sobre a dor da culpa, a amizade e a superação de traumas. Esses são os principais ingredientes que envolvem a trama de A Bicicleta de Papel. O espetáculo tem direção de Ricardo Grasson, dramaturgia de Luccas Papp que protagoniza a peça ao lado de Leonardo Miggiorin. A estreia é no dia 10 de janeiro de 2021, domingo, às 19h, no Teatro das Artes. A temporada vai até 28 de fevereiro, com sessões sempre aos domingos, às 19h. O projeto é uma realização da LPB Produções e da Nosso Cultural.


A história se passa na virada do milênio, durante a noite do dia 31 de dezembro de 2000, onde se encontra Ian (Luccas Papp), um rapaz que poucos meses antes ultrapassou o farol vermelho e sofreu um acidente que matou toda sua família e lhe transformou em uma figura solitária e repleta de culpa. Suas únicas companhias são um gravador, uma bolinha de borracha e o peru que nunca fica pronto. É nesse momento que Noah (Leonardo Miggiorin), seu melhor amigo, entra em sua casa com uma missão: Passar o ano novo com Ian e provar-lhe que ainda há tempo para viver e ter esperança em dias melhores.


“É um texto que que escrevi há dois anos, nem imaginava que o mundo iria virar de ponta cabeça. É uma história sobre traumas, mas acima de tudo é sobre a capacidade de se perdoar. Meu personagem enfrenta um processo difícil para se libertar e construir algo novo. A dramaturgia é permeada por diálogos curtos, entrecortados, alguns monólogos narrativos, e retrata muito a cultura pop daquela época”, conta Luccas Papp.

Foto: João Sampaio e Davi Gomes.


A direção de Ricardo Grasson prioriza a interpretação e todos os elementos cênicos costuram e valorizam o cerne da trama que é a palavra. “Encenação, cenografia, iluminação, figurino e trilha sonora são minimalistas para enfatizar a relação do duo, são amigos de anos que lidam com problemas reais. A trama usa a força do amor para abordar todos os conflitos de forma lúdica e imagética em uma linguagem contemporânea com a intenção de criar uma reflexão sobre esperança, futuro e a superação da culpa em seus espectadores”, diz o diretor.


O projeto tem participações especiais em off de Elias Andreato, Ando Camargo, Rita Batata e Lívia Marques, os atores dão voz para apresentador e repórteres na cobertura de réveillon. O figurino é de Cássio Scapin, luz de Gabriele Souza, além da cenografia assinada pelo diretor e o autor.

Papp e Miggiorin interpretaram os melhores amigos em O Ovo de Ouro, texto de Papp que estreou em 2019 e contava uma história pouco conhecida da Segunda Guerra Mundial, a figura do Sonderkommando nos campos de concentração. Nesta montagem, criou-se uma relação e um entrosamento que serão colocados novamente no palco. “Eles instigam um ao outro, além da própria direção. O jogo entre eles é recomposto de uma outra maneira agora, essa amizade foi construída na produção anterior e volta a ser enfatizada com o novo texto. É importante tocar nessas questões devido aos momentos que estamos vivendo com a pandemia. A peça é contra essa política de cancelamento do mundo, reforça que podemos reescrever a nossa própria história e viver o novo”, ressalta Grasson que dirigiu a dupla em ambos os trabalhos.


Os atores revelaram o processo para compor as respectivas interpretações. Papp está ensaiando como andar de muletas e relatou que passou por experiências na vida que proporcionaram uma maturidade que o auxilia para interpretar Ian.


Já Miggiorin descreveu os mecanismos que o auxiliam na criação de Noah. “O maior exercício é acreditar na força da presença. A construção do papel está pautada no exercício do ‘aqui agora’. Então preciso fazer uma meditação para entrar em cena, me concentrar e me conectar, como se não tivesse mais nada a fazer no mundo, senão estar ali, presente, com aquelas pessoas, naquele lugar. Meu personagem adora músicas dos anos 80, e estou ouvindo muito, além de relembrar de como era a vida no contexto do ano de 2001, período em que a história acontece”.


O ator ainda destaca que um dos maiores artifícios da peça é trazer uma reflexão sobre o momento atual vivido por todos nós. “O isolamento está muito além da pandemia, muitos de nós já estávamos isolados do mundo antes mesmo dessa quarentena. Perdemos tempo com bobagens, não entendemos ainda o valor da presença. Este espetáculo fala sobre estar presente enquanto ainda temos tempo. Enquanto ainda estamos aqui”.


A atmosfera de A Bicicleta de Papel dialoga com os enredos de dois espetáculos de Luccas Papp que foram encenados recentemente. A Ponte refletia sobre a cultura do cancelamento e O Estranho Atrás Da Porta discutia como a intolerância e o preconceito impactavam a vida de dois jovens. “Gosto muito de retratar relações familiares e afetivas, além das perdas, tanto no sentido da morte ou de um status. Nossas vidas se baseiam muito dentro deste conjunto e na quebra deles. Trafegar por estes caminhos é algo que me instiga retratar”, finaliza Papp.


FICHA TÉCNICA

Texto: Luccas Papp. Direção: Ricardo Grasson. Elenco: Leonardo Miggiorin e Luccas Papp. Participação especial em off: Elias Andreato, Ando Camargo, Rita Batata e Lívia Marques. Cenografia: Luccas Papp e Ricardo Grasson. Figurino: Cássio Scapin. Designer de luz: Gabriele Souza. Trilha sonora e operação: Catarina Kobayashi. Comunicação Visual: Giullia Abreu. Fotos: João Sampaio e Davi Gomes. Produção Executiva e Assistência de direção: Heitor Garcia. Assessoria de imprensa: Adriana Balsanelli e Renato Fernandes. Realização: LPB Produções e Nosso Cultural.


SERVIÇO: A BICICLETA DE PAPEL Temporada: De 10 de janeiro a 28 de fevereiro. Sempre domingos, à 19h.

Teatro das Artes, localizado no 3º piso do Shopping Eldorado, loja 409. Av. Rebouças, 3970, Pinheiros, São Paulo - SP, 05402-600

Preço: R$ 60,00 (inteira) – R$ 30,00 (meia) – R$ 25,00 (ingresso amigo)

Gênero: Drama. Duração: 60 minutos. Classificação indicativa: 10 anos. Vendas no nosso site oficial www.teatrodasartessp.com.br Abertura da Casa 20 minutos antes das apresentações.

Horário de Funcionamento da Bilheteria 1 hora antes do início de cada espetáculo. Vendas pelo site da Sympla.


O Teatro das Artes está operando com capacidade reduzida de acordo com os protocolos do Estado e Município.