Buscar
  • Luiz Vieira

Espetáculo O Inventor de Sonhos traz para o teatro as fábulas do humanista Leonardo da Vinci

Os ingressos podem ser retirados gratuitamente pela plataforma Sympla

Foto: Jefferson Pancieri e João Sato.


Para comemorar os 500 anos de Leonardo da Vinci, a estreia do novo projeto d’A Peste – Cia Urbana de Teatro, junto a Em Cena produções, acontece, gratuitamente, de 26 de março a 4 de abril e convida as crianças e suas famílias a conhecerem uma das mil facetas deste gênio da humanidade: a escrita.


Para este espetáculo a companhia escolheu três fábulas do autor: “O Papel e a Tinta”, “A Navalha” e “A Rede”. O elenco é composto pelos atores Paulo Arapuá (Michelangelo), Ricardo Moraes (Raphael) e Sol Leão (Gioconda).


A partir das fábulas, Leonardo da Vinci – ecologista, humanista, vegano, lutou pela preservação dos rios a animais na sua época - contava aos populares do seu tempo sobre a preservação da natureza e apontava valores essenciais para boa convivência entre os humanos. “Durante nosso processo criativo construímos uma dramaturgia que colaborasse com esse espírito, com o objetivo de acender nas crianças e adultos o amor pela arte, pelos artistas e pela defesa da natureza”, comenta a diretora Pamela Duncan.


“Estamos celebrando 500 anos, mas sua obra permanece viva e atual. O grupo decidiu homenagear este brilhante criador e ativista atemporal por achar que os tempos se repetem e precisamos conversar sobre nobres valores de convivência que são a base da preservação de uma sociedade”, conta a diretora.


Sinopse

“O Inventor de Sonhos” conta a história de um aprendiz e uma atriz de commedia dell’arte que entram escondidos no ateliê para descobrir os segredos do mestre. Os jovens encontram uma invenção secreta, “A Máquina do Tempo”. Por descuido, ligam a máquina e são trazidos para 2021, ou seja, quase 500 anos depois, trazendo também o porteiro do Leonardo da Vinci que estava vigiando o ateliê, Michelangelo. Os aprendizes e Michelangelo se metem em muitas aventuras e ainda encenam as fábulas do mestre para os habitantes do futuro.

Com ajuda de bonecos, teatro físico, adereços, música e muita imaginação, os atores homenageiam o mestre contando suas fábulas. Após uma trapalhada com a máquina do tempo, eles voltam ao passado, onde quem os espera é o próprio Leonardo da Vinci.


Sobre as fábulas


O Papel e a Tinta

Conta, de forma lúdica e poética, as travessuras de uma caneta que muda a vida de uma singela folha de papel, dando a importancia aos livros e a escrita.

A Navalha

História de uma navalha orgulhosa e pretensiosa que abandona o barbeiro, se achando insubstituível.


A Rede

História de um cardume de peixes ornamentais que estão cansados de serem capturados por um tirano pescador, que pesca só por prazer de vê-los longe do mar.


Sobre Leonardo da Vinci

Chegará o tempo em que o homem conhecerá o íntimo de um animal e nesse dia todo crime contra um animal será um crime contra a humanidade.” Leonardo da Vinci.

Leonardo da Vinci nasceu no dia 15 de abril de 1452, em Anchiano, uma pequena aldeia na região da Toscana, perto de Vinci e próxima à Florença, na Itália. Com 17 anos estudou Artes no estúdio do mestre Andrea del Verrocchio, onde modelou imagens em terracota. Trabalhou para figuras importantes, como Lourenço de Médici, governador de Florença. Em 1480 pintou a tela Virgem do cravo, considerada sua primeira obra individual. Entre 1482 e 1499 viveu em Milão, onde era protegido de Ludovico Aforzo, duque de Milão, para quem pintou o afresco “A Última Ceia” para o Mosteiro de Santa Maria Delle Grazie. Prestou também serviços para o duque como arquiteto e engenheiro, além de pintor. É dessa época a obra Homem Vitruviano. Em 1503 realiza o que seria sua grande obra, Mona Lisa. Considerado um polímata, Leonardo foi engenheiro, arquiteto, químico, geólogo, cartógrafo, estrategista, criador de engenhos bélicos e instrumentos musicais. Faleceu aos 67 anos, no dia 2 de maio de 1519, na França e foi enterrado no palácio de Amboise.


Sobre o grupo A peste, cia urbana de teatro

Desde sua criação, em 2004, a Companhia mantem a frequência de montar um espetáculo por ano, entre a cena adulta e infantil. No seu repertório traz os seguintes espetáculos: “Pinocchio”, “Familya Monstro”, “O tambor Africano”, “Sonhei com Charles Chaplin”, “A menina que descobriu a noite”, “A fantástica trupe em A princesa engasgada”, ” Sonhei com Charles Chaplin”, “Eternos vagabundos”, ”Tim Burton”, “Pour Elise”, “Nossa história é assim” e “O Processo”. Todos com direção de Pamela Duncan.


Ficha Técnica

Direção, dramaturgia e figurinos: Pamela Duncan

Elenco: Paulo Arapuã, Ricardo Moraes e Sol Leão

Assistente de Direção: Pedro Guida

Trilha Sonora: Sérvulo Augusto, Pedro Guida e Pamela Duncan

Voz em Off: Rodrigo Jubelini

Adereços: Lucas Luciano e Ivaldo de Mello

Costureira: Judite Lima e Lecy Andrade

Design Gráfico: Thais Capeto

Vídeo-cenário: Giuliano Scanduzzi

Assessoria de imprensa: Pombo Correio

Designer de luz: Jonas Ribeiro

Fotografia: Jefferson Pancieri

Produção audiovisual: Luz Audiovisual

Produção de conteúdo para mídias sociais: Luiz Felipe Pedroso

Produção: Felipe Calixto e Pamela Duncan

Produção executiva: Jorge Alves

Coordenação do projeto: Felipe Calixto


Realização: Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Em cena produções e A peste, cia urbana de teatro

Serviço 26 de março a 4 de abril Sextas, sábados e domingos, às 16h Duração: 55 minutos Grátis