Buscar
  • Responder Fazendo

Clara Carvalho dirige Escola de Mulheres nos 400 anos de Molière

A montagem da comédia clássica de Molière, escrita em 1663, é protagonizada por Brian Penido Ross. A peça revela a potência feminina e a força do amor opondo-se ao conservadorismo burguês e ao machismo.

Escola de Mulheres - Foto Ronaldo Gutierrez - responderfazendo.com


Num gesto de transgressão ao patriarcado e ao conservadorismo, Molière (1622 – 1673) traz à tona, com muita ironia, leveza e elegância, a sagacidade feminina em Escola de Mulheres. Sob direção de Clara Carvalho, a estreia aconteceu no dia 15 de janeiro, dia da celebração dos 400 anos de nascimento do autor. A montagem é protagonizada por Brian Penido Ross, que está ao lado de Ariel Cannal, Felipe Souza, Fulvio Filho, Gabriela Westphal, Leandro Tadeu, Luiz Luccas, Rogério Pércore e Vera Espuny.

“Este é um texto escrito em 1662, quando Molière tinha 40 anos e estava na plenitude de sua potência criativa. Ele também fazia o papel de Arnolfo, personagem que repele frontalmente a ideia de ser traído e, para isso, educa a jovem Inês para que ela se torne sua esposa ideal, criando-a na mais absoluta ignorância. Mas, como em muitas de suas peças, as personagens femininas de Molière são perspicazes, inteligentes e descobrem como se empoderar numa circunstância a princípio desfavorável e o plano de Arnolfo mostra-se muito difícil de implementar. Sente-se no texto a simpatia de Molière pelas mulheres. O machismo patológico é escancarado, ridicularizado e, sentimos um viés francamente feminista”. É esse viés que queremos colocar em cena”, comenta Clara Carvalho.

A peça, que foi um sucesso estrondoso na sua estreia em Paris, e gerou infindáveis discussões sobre a polêmica comportamental que trazia, é exemplarmente clássica, com unidade de tempo – tudo se passa em 24hs – espaço e ação e a encenação busca mesclar sugestões do século XVII com traços contemporâneos. Tudo se passa numa praça e, ao fundo, um painel com o sol nos remete a Luís XIV, patrono das artes e da trupe de Molière. Por conta da polêmica que seu texto gerou, Molière escreveu logo, depois da estreia, uma outra peça para responder a seus detratores, A Crítica à Escola de Mulheres, que a produção pretende montar ainda em 2022.

Brian Penido Ross comentou as características de seu personagem e as comparou com outros clássicos do autor: “Arnolfo é um burguês de meia idade e está sujeito às convenções do amor e do casamento, ao contrário do comportamento libertino dos homens e mulheres da corte de Luís XIV. Ele faz toda sorte de intrigas sobre homens que foram traídos e deseja obsessivamente não se tornar um deles. Molière tem uma galeria genial de personagens com comportamentos compulsivos, como Argan, de O Doente Imaginário, ou Harpagão, de O Avarento.

Num momento em que o Brasil está lidando com pautas conservadoras e repressivas, rir de Arnolfo e acompanhar a rápida e comovente evolução de Inês em sua compreensão do mundo é muito salutar.

Escola de Mulheres - Foto Ronaldo Gutierrez - responderfazendo.com

Durante a preparação da peça a equipe se inspirou em filmes como A Viagem do Capitão Tornado, (1990, de Ettore Scola; Molière, (1976, de Ariane Mnouchkine); O Rei Dança, (2000, Gérard Corbiau); Vatel – Um Banquete para o Rei, (2000, Roland Joffe, além montagens disponibilizadas pela Comédie-Française e pelo Teatro Odéon.

FICHA TÉCNICA

Idealização: Ariel Cannal, Brian Penido Ross e Clara Carvalho. Autor: Molière. Direção / Tradução / Adaptação: Clara Carvalho. Elenco: Ariel Cannal (Horácio), Brian Penido Ross (Arnolfo), Felipe Souza (Cupido), Fulvio Filho (Crisaldo), Gabriela Westphal (Inês), Leandro Tadeu (Oronte), Luiz Luccas (Henrique), Rogério Pércore (Alain), Vera Espuny (Georgette). Direção de Movimento: Guilherme Sant'Anna. Músicas / Letras / Direção Musical: Gustavo Kurlat. Arranjos / Produção Musical: André Bedurê. Violão / Baixo / Instrumentos Virtuais: André Bedurê. Violino: Naianne Cunha. Desenho de Luz: Wagner Pinto. Técnico de Luz: Gabriel Greghi. Cenógrafo: Chris Aizner. Design Gráfico do Cenário: Adriana Alves. Cenotécnico: Denis Chimanski. Figurinista: Marichilene Artisevskis. Costureiras/Modelistas: Judite Geronimo de Lima, Ateliê Bella Modas. Modelista Casacos: Paula Gaston. Alfaiate: Pedro Almeida Barre. Envelhecista: Foquinha Cris. Design Gráfico da Divulgação: Mau Machado. Fotógrafo: Ronaldo Gutierrez. Redes Sociais: Bianca Nóbrega. Assessoria de Imprensa: Adriana Balsanelli e Renato Fernandes. Assistente de Produção: Nando Barbosa. Produção Executiva: Nando Medeiros. Direção de Produção: Ariel Cannal.

SERVIÇO

Escola de Mulheres

Até 27 de março.

Quinta a sábado, às 20h; e domingo, às 18h

Preço: Quinta e Sexta: 40,00 (Inteira) e 20,00 (Meia) / Sábado e Domingo R$60 (Inteira) e R$30 (Meia).

Compra Online: Escola de Mulheres

Classificação: 12 Anos. Duração: 85 Minutos

TEATRO ALIANÇA FRANCESA

Rua General Jardim 182 – Vila Buarque. Ar-condicionado. Informações: (11) 3572-2379

www.teatroaliancafrancesa.com.br